sexta-feira, agosto 15, 2008

O pai dos pictogramas

Eu não sei porque, mas eu adoro pictogramas... lendo o blog do (grande!!) Steven Heller, descobri que o pai destes símbolos são Otto Neurath. Foi ele quem criou o ISOTYPE (Sistema Internacional de Educação Tipográfica e Visual). Seu objetivo era ilustrar, quantificar e esclarecer questões mundiais assim ao criar imagens com liguagens universais.

Segundo o Wikipedia, "Neurath originalmente criou o Isotype para ser usado para educação, mas acabou influenciando fortemente a sinalização moderna, gráficos estatísticos e infográficos. Isso se deve à linha
clean e a estética déco."


Há vários livros sobre o cara, mas o Steven Heller sugere este, da Nai Publishers.
Depois, querendo saber um pouco mais sobre os pictogramas, encontrei uma entrevista do Heller com o Mies Hora, que fez um livro só sobre símbolos e ícones, reunindo imagens do mundo inteiro. Quem quiser treinar o inglês, a entrevista é bem interessante, mas vou reproduzir algumas das peguntas que achei mais legais.

Heller
: Quem são os outros designers responsáveis por outros sinais ainda mais ubíquos, como os que medem os kilômetros e os símbolo náuticos?


Hora: Embora a maior parte dos signos e símbolos são resultados do trabalho de funcionários e comitês anônimos e não divulgados de empresas, instituições e governo, existem notáveis excessões. Claude Chappe, um engenheiro, desenvolveu o semáforo telégrafo para o exército francês, no fim do século 18[...]. Um menino de 15 anos chamado Louis Braille introduziu um novo alfabeto [para leitura de cegos] que praticamente não foi mudado, em 1924. Roger Winterhouse, trabalhando com Peter Reedjik (e outros) criaram o famoso e moderno aviso de pessoas com cadeiras de rodas. [...]


Heller: Há um síbolo para basicamente tudo que precisa ser comunicado?
Hora:
Eu descobri em 1999, que não existe uma referência, um grupo de símbolos internacionalmente aceitos para a vasta e global indústria de hotel e albergues. O resultado é que firmas de acomodação acabam projetando seus próprios variados (e branded) sistemas de comunicaçaõ visual para as mesmas atividades e serviços, às vezes usando materias de referência desatualizados.
Heller:
With Com a abundância de sinais que você reuniiu, há realmente espaço para ainda mais sínais?

Hora:
Absolutamente! O processo de pesquisa, coleta e reprodução é contínuo assim que sistemas são atualizados, desenvolvidos e/ou simplesmente me chamam a atenção. Eu já estou reunindo material para uma próxima edição que vai incluiratualizações em sistemas já existentes como novos sinais de sistemas de transportes recentemente implementados, um sistema muito necessário de símbolos médicos está sendo desenvolvido e sinais internacionalmente reconhecíveis para mapeamento astronômico, marcas de correção/revisão a notação musical, só para começar. Me avise se tiver mais sugestões!




Um comentário:

Daniel Campos disse...

muuuuito massa isso hein!!
qro ainda me aprofundar nesse assunto