sexta-feira, abril 11, 2008

Diálogo Concreto - Design e Construtivismo no Brasil

Poxa! Morara em Curitiba não tem vantagem nenhuma, viu! Só Rio e São Paulo recebem as melhores exposições. Pelo menos pudemos receber a Ilustrando em Revista ano passado, mas fora isso, nunca tem nada de interessante.

Vi no collecta que no Rio na Caixa Cultura está tendo a exposição Diálogo Concreto - Design e Construtivismo no Brasil. "Roubando" o release que tem no blog: A mostra lança um olhar incomum sobre a obra de grandes artistas brasileiros que participaram das vanguardas construtivas nas décadas de 1950 e 1960, apresentando seus trabalhos como designers em um diálogo direto com as obras que realizaram como artistas plásticos. a

Abraham Palatnik, Alexandre Wollner, Almir Mavignier, Aluisio Carvão, Amilcar de Castro, Antonio Maluf, Geraldo de Barros, Lygia Clark, Lygia Pape, Mary Vieira e Willys de Castro aplicaram em seus trabalhos como designers princípios visuais, estéticos e conceituais do construtivismo. Participantes dos movimentos Concreto e Neoconcreto, estes criadores eram tributários da Bauhaus e do De Stijl, movimentos que defendiam a existência de “artistas totais”, que integrassem artes plásticas, arquitetura e design.

a
a
Hum, os salgadinhos da Piraquê...me senti muito nostálgica quando vi...
a
Um dos destaques da exposição são as embalagens criadas por Lygia Pape, ao longo dos anos 1960, para os biscoitos e massas Piraquê. Lygia aplicou no desenho das embalagens os principais jogos óticos usados pelo construtivismo. Fotografias dos biscoitos foram transformadas em formas geométricas, que se sobrepõem em planos e contraplanos e criam seqüências matemáticas no espaço.

As cores básicas e a tipologia – toda em letra minúscula – são uma marca do período. Criou-se, também, um jeito novo de embalar os biscoitos, permitindo que, em vez de latas ou caixas, como era comum na época, as embalagens ganhassem formas de sólidos geométricos, como paralelepípedos (caso do biscoito Cream Cracker) ou cilindros (caso do biscoito Maria).

Outras embalagens importantes foram as feitas por Alexandre Wollner para as sardinhas Coqueiro, em 1958. O público terá a oportunidade de ver o estudo para a logomarca e sua aplicação nas latas. Também poderá verificar como o artista parte de círculos sobrepostos e cortados para dar forma ao coqueiro do logotipo.

Exposição: “Diálogo concreto – Design e Construtivismo no Brasil”
Local: CAIXA Cultural Rio – Galeria 3Av. Almirante Barroso 25 – Centro (ao lado da estação Carioca do Metrô) ( 2544-4080 / 2544-7666
Site: http://www.caixacultural.com.br/
Temporada: de 25 de março a 27 de abril de 2008
Horário: de terça a domingo, das 10h às 22h
Entrada franca (é de graça ainda!)

Essa é a cara construtivista do Jornal do Brasil, projeto do Amilcar de Castro

Um comentário:

Tiê disse...

construtivismo ou não ... piraque apavora .. mto bom ! hahaha